Posts

, , , , , ,

As Três Perguntas.

Já leu hoje? Indico que visite a literatvs no wattpad e reflita sobre as três perguntas que envolvem nossas vidas.

  • Porque você está aqui?
  • Quem realmente é você?
  • Porque você existe nesse curto período de tempo, se ainda existe duas enormes eternidades?

Depois de refletir muito, eu tive de escrever um conto inspirado nas mulheres mais fortes dos mitos. Então boa leitura!

Leia mais

, , , , , ,

Contos de Fadas não são histórias infantis.

1. Contos de Fadas não são brincadeira.

lobo mau

Lobo Mau?

A origem dos contos de fada nunca foi uma brincadeira de criança porque as tramas criadas pelos camponeses envolviam muitas vezes cenas de sexo, violência e fome.

Os detalhes violentos e libidinosos das histórias que povoavam aquela época foram criados e passados de geração para geração por trabalhadores analfabetos, que se sentavam à noite em volta de fogueiras para contar histórias. Nestas reuniões, ou veillées como era chamado pelos franceses, as mulheres narravam seus casos enquanto fiavam e teciam, o que originou expressões como “tecer uma trama” e “costurar uma história”.  Enquanto isso, os homens consertavam suas ferramentas ou quebravam nozes sem descanso pois, aquele era o universo dos camponeses franceses pré-Revolução, nos séculos 17 e 18. Leia mais

, , ,

Para que serve o mito?

O mito foi a nossa primeira forma de narrativa. Sua função inicial foi explicar a realidade. Como surgiu uma montanha, uma planta, um medicamento, um alimento, uma atividade humana, como surgiram os animais, como surgiu o homem e como tudo isso um dia vai desaparecer (mitos escatológicos).
“Perante o mito, somos todos como Narciso: inebriados pela imensidão e beleza da imagem mítica quando, na verdade, observamos nosso próprio reflexo, nossos eus idealizados em seres e narrativas que nos servem de modelo. Buscamos o equilíbrio perdido”. Hertz Wendel.
Segundo Joseph Campbell, mitólogo americano e consultor dos primeiros filmes da saga Star Wars, em seu livro Mito e Transformação, o mito possui quatro funções básicas:
1) A busca pelo equilíbrio entre natureza e cultura, entre a natureza e o homem. O mito, então, representa o retorno ao estado primordial do homem, à sua ancestralidade, ao momento urobórico (inconsciente) em que homem e natureza eram um só elemento;
2) Outra função é a de servir como modelo. O homem precisa de modelos e criou os seus próprios. Os deuses do Olimpo são um bom exemplo: criados pelo homem, servem de modelos para o homem seguir em sua vida terrena. Neste sentido, todas as religiões criaram ou mitificaram seus profetas, santos, cristos, deuses. O homem criou os deuses para que os deuses o recriassem.
3) O mito existe para manter nosso deslumbramento perante a imensidão do cosmo, da natureza, do oceano, do deserto, da própria alma humana. A ciência, por exemplo, em seus documentários televisionados, é exímia em mostrar que somos “grãos de areia” no universo. O mito, portanto, serve de encantamento, deslumbramento, é sempre entorpecedor da alma humana.
4) A última função é ser um grande psicólogo da humanidade, pois o mito acompanha o homem (o grupo) do começo ao fim, da fundação à escatologia (apocalipse), acompanha o indivíduo do nascimento à morte, preparando para aceitar o fim inerente. Pautada nesse aspecto que a maioria das religiões e filosofias de reencarnação/paraíso se fazem poderosas como a massa.
O mito foi importante para “segurar a onda” da espécie humana, isto é, não foi fácil nos tornarmos a espécie dominante no planeta, portanto, o mito contribuiu, e muito!, para a sobrevivência do homem.
Texto de Hertz Wendel de Camargo
Para mais acesse: http://segundarealidade.wordpress.com/
 
, ,

Quando eles chegaram…

Muitos são os seres místicos que vagam pelas florestas e campinas do mundo. Mas raras são as oportunidades de conhecer sua origem. É importante dizer que mesmo os seres míticos têm uma origem e alguns desses seres guardam essa origem com tanto segredo que as vezes o passado parece esconder algo desonroso ou mesmo monstruoso.

A medusa antes de ser um monstro, era uma princesa que tentou competir com uma deusa e terminou com uma maldição que transforma homens em estátuas.

Os ciclopes se escondem amuados em suas cavernas, chorando através de seu olho central enquanto relembram o passado em que sua raça tinha outro nome e olhava com profundidade o mundo através de seus dois olhos.

Ou seja, as vezes eles são criados do barro ou do metal por algum deus ou artífice louco, mas existem vezes em que eles surgem por causa de uma escolha ou mesmo uma maldição.

Essa raça em especial, foi criada por causa de uma piada. Não daquelas que rimos em sinal de respeito de quem mal sabia contar a mesma, ou mesmo daqueles tipos que arrancam gargalhadas e tiram o fôlego. Leia mais