Posts

, , ,

As três Perguntas.

Primeiro, ele sentiu uma pequena dor. Algo que poderia muito bem ser confundido com uma fisgada que irrompia bem no fundo de sua nuca. Logo depois, uma sensação morna e aguda irradiou-se por todo o pescoço, quase como se fosse um arrepio que surge do nada e lembra o toque sobrenatural feito por um anjo mítico e misterioso. Então, como sempre acontecia, acordou no meio da noite sentindo a cabeça pesada.

Diante de seus olhos, a escuridão perdurou por alguns segundos. Só então começou a divisar as formas dos armários, bem como a porta entreaberta de seu quarto. Com cuidado, se sentou na cama, para assim não acordar a esposa que dormitava ao seu lado.

Passou a mão nos cabelos e sentiu que estava empapado em suor. Parecia que mais uma vez, ele havia percorrido quilômetros dentro de uma outra realidade, dentro de um outro sonho insano. Era quase como se percorresse, durante apenas uma noite, todo um universo à parte. Vivenciando anos inteiros em um lugar onírico, distante e diferente de tudo o que existia.

Mas agora, isso não importava mais. A sua existência prévia nas terras de Morpheus já ia sumindo e minguando à medida que ele acordava. Então, enquanto engolia a saliva seca e amarga, ele teve noção de que as três companheiras novamente se faziam presentes.

É claro que elas não existiam. Não da maneira como concebemos as coisas, não da maneira como embalamos o sonho que chamamos de realidade. Elas não eram nem criaturas corpóreas ou mesmo aparições fantasmagóricas. Por isso mesmo, elas eram assustadoras. Elas eram as três perguntas que sempre o visitavam quando ele despertava naquela hora da madrugada.

As três perguntas sempre existiram

A primeira, conviveu com ele por toda a sua infância. E só por isso, ele a imaginava como uma garota bela, diferente de tudo o que ele conheceu, que sempre o remetia à lembrança de sua primeira namoradinha e da primeira vez que sentiu a estranheza de ter um beijo roubado. Por isso, ele gostava de imaginar que ela teria cabelos vermelhos e se vestiria toda de preto. Como se fosse uma pessoa cheia de energia, sorrisos e segredos misteriosos.

Então ele sorriu quando escutou, como se fosse um sussurro, a sua indagação:

— Porque você está aqui?

Ele poderia muito bem responder que estava em seu quarto, acordando mais uma vez em um bairro de São Paulo. Mas essa era uma resposta localizada. Então, ele pensou em responder que estava vivo por um acaso, só porque Deus não o levou no acidente de carro que matou seus avós. Mas essa também era apenas uma resposta de fé. Então, como resposta, ele só abriu um sorriso para ela e se levantou para tomar um copo d´água.

Sem luz, o corredor do apartamento era um conjunto de sombras sobrepostas. Uma imagem abstrata que sempre o aterrorizou quando pequeno pois, para ele, observar a escuridão era como abrir uma porta para estranhos e assustadores universos, lugares habitados por monstros com grandes olhos e dentes pontiagudos. No entanto, com o passar dos anos e à medida que sua barba crescia e seus cabelos ganhavam algum cinza, o medo foi sumindo. Agora só restava a curiosidade sobre o que poderia existir além da escuridão.

Assim, ele agora sempre flertava com a imaginação e brincava com a possibilidade de que realmente em alguma sombra mais profunda ele pudesse simplesmente esbarrar com alguma criatura extraordinária. Ou quem sabe, encontrar algum segredo enigmático ao abrir uma porta misteriosa que o levasse a conhecer outros mundos além deste. Mas nada aconteceu em seu curto trajeto do quarto até a cozinha.

Foi só quando bebia devagar o copo de água, é que ele sentiu os pelos de sua nuca se arrepiarem por um pequeno instante. Esse era o sinal, quase a sensação de um abraço, que a segunda pergunta causava quando se aproximava dele.

Ele sentia e sabia bem no fundo de seu coração, que ela era mais velha do que a primeira. Por isso, às vezes, ele a imaginava com as vestes e as faces de suas antigas professoras do colegial ou mesmo com a aparência de suas tias preferidas. Aquelas mesmas que sempre escolhiam livros como presente de aniversário ou natal. Enfim, ela era a sua companheira do dia a dia. Aquela que sempre estava presente quando ele decidia que roupa deveria vestir e que papel desempenharia perante as outras pessoas.

Ele se virou, e quase conseguiu imaginar o vulto que, de leve, corria para trás dele e sussurrava em seu ouvido.

— Quem realmente é você?

Essa era a pergunta o acompanhava para onde quer que ele fosse. Se fosse dar uma aula, ele assumiria a postura de um professor. Mas ele não era um professor, ele estava apenas personificando um. Na empresa, quando andava rápido com os sapatos repicando no chão, ele escutava de novo a mesma pergunta. Então sabia que naquele momento ele estava como um profissional, um trabalhador. Mas nada respondia quem realmente ele era.

Quem realmente é você?

Então, ele apenas sorriu de novo e terminou de engolir o restante da água que agora aplacava a sede que seu corpo sentia. Agora, totalmente desperto, ele só pôde fazer aquilo que sempre fazia. Foi até o escritório, ligou o computador e começou a escrever as ideias que pairavam à sua volta.

A música baixa no seu fone de ouvido ditava o tom de seu teclar e então, como se fossem mariposas atraídas por uma vela, as ideias surgiram em revoada e ele acabou despejando letras, palavras e frases em um papel falso, criado por um apanhado de zeros e uns, suspensos em seu monitor.

— Que saudade da minha Olivetti. — Suspirou saudosamente. Então, afastou a memória antiga com um balançar de cabeça pois relembrou da dificuldade que era manipular o papel e desenroscar as teclas tortas da velha máquina de escrever.

Naquele momento ele se iludia e pensava que pelo menos aquela noite, a última delas não apareceria. Que a terceira e derradeira pergunta iria finalmente dar uma folga para ele. No entanto, ele sentia, bem lá no fundo, que isso era uma mentira pois aquela dor que o acordara fora feito por uma unha imaginária. Uma unha afiada como uma garra e venenosa como a ponta do rabo de um escorpião.

Então ele sentiu que podia escutar um arrastar que se encaminhava da cozinha para o corredor, e do corredor para o escritório. Era por causa desse “som” imaginário que ele sempre a considerava usando aqueles antigos chinelos de camurça cheio de mofo e um penhoar antigo e desbotado.

Para ele, ela era enrugada e cheirava como se fosse aqueles velhos pacientes que todos sempre esbarram quando tem de visitar alguém no hospital. Então ele nem se virou e nem se mexeu. Não precisava, pois diferente das outras, ela o enlaçou por trás, como se fosse um vento gélido que entra de mansinho pela fresta da janela apenas para lembrar que até mesmo o calor é passageiro. E assim, estalando os poucos dentes que ainda tinha na proverbial boca, perguntou:

— Porque você existe nesse curto período de tempo, se tudo o existe está preso entre duas enormes eternidades?

Ele sempre odiava quando ela fazia isso. Na realidade as três perguntas, mesmo sempre presentes, o incomodavam demais. Isso só acontecia porque ele não tinha as respostas finais e, bem lá no fundo, ele sabia que só iria entender o que cada uma delas falava, quando às encarasse uma última vez antes de morrer.

Pra onde vamos quando tudo acaba?

Mesmo assim, por muito tempo ele procurou nos livros por respostas que pudessem aplaca-las. Inicialmente ele só queria saciar sua curiosidade. Depois de um tempo, só desejava passar por uma noite decente de sono.

A princípio, ele achava que estava sendo visitado por Hécate. Principalmente porque a deusa grega dos caminhos era representada com três corpos e três faces que simbolizam a virgem, a mãe e a velha senhora. Era assim que ela tinha o poder de olhar para as três direções e ao mesmo tempo, ver o destino, o passado que interferia no presente e as coisas que poderiam prejudicar o futuro de cada um.

Mas Hécate personificava apenas uma pequena parte das três perguntas. Assim, chamá-la por apenas um nome não fazia sentido nenhum. Seria o mesmo que acorrentar o vento ou, colocar em uma gaiola, a sua imaginação.

Em um outro livro de símbolos, ele descobriu que a donzela também representava o despertar da sexualidade, a primavera e o início dos tempos. E tantas outras deusas, tais como Afrodite, Eostre, Ártemis, Atena, Perséfone e Diana assumiam esse aspecto. Ela era aquele ser feminino que não foi afetado pelas expectativas sociais e culturais determinadas pelo sexo masculino. Por isso tinha muito a ver com a infância e adolescência da mulher onde ela ainda é, ela mesma. A donzela ainda não sabe usar as máscaras sociais e por isso, ainda não havia perdido sua inocência.

No mesmo livro era apresentado o aspecto da mãe, que também podia ser considerada como amiga, guerreira, professora ou irmã. Esse é o aspecto da mãe natureza e também da criadora e doadora da vida de todas as coisas animadas e inanimadas. Ela representa o verão e tantas outras deusas assumem seu papel. Deméter, Isis, Nut, Hera, Danu, Selene e sua favorita, Gaia. Todas elas se referem ao mito universal de divindade feminina relacionada à natureza, aos ciclos e à Fertilidade. Uma presença que representa a reflexão sobre o poder do patriarcado, o equilíbrio e a maneira como podemos admirar as mulheres fortes que influenciam a nossa vida.

E por fim, relutante, foi ele ficou sabendo mais sobre a anciã. Aquela que guarda o conhecimento oculto, os mistérios da sabedoria mágica, o submundo, a sombra e todos os segredos que só a idade pode proporcionar. Por isso a sua imagem está associada ao inverno e a deusas assustadoras como Hécate, Kali, Baba Yaga e Ceridwen assumem seu manto. Mas ela também é a avó benevolente. A mulher sábia, mais poderosa que a mãe. A bruxa que guarda segredos e que, por causa da idade, acumulou mais experiências do que todos.

Temor e respeito.

Esse segundo livro o ajudou a entender um pouco mais dos aspectos que sentia. Mas nada explicava realmente quem ou o que eram as três perguntas, e principalmente, quais respostas elas queriam escutar.

Por isso que ele desistiu de procurar. Pois agora ele sabia que elas representam as Fúrias, as três que são uma. As poderosas, bondosas e assustadoras perguntas que rondam todos os seres humanos desde o momento que eles abrem os olhos no berço, e se afastam no momento final em que cada um fecha os olhos para a vida. Pensando bem nisso. Elas estavam ali para relembrá-lo sobre sua condição finita. Para assim deixá-lo preparado para o que aconteceu, o que está acontecendo e o que vai acontecer.

Pensando nisso, ele então relembrou que recentemente mais um pequeno pedaço das respostas surgiu em sua vida. Mais um pequeno fato o ajudou a responder um pouco mais de cada pergunta, de cada pequena parte desse infinito quebra-cabeça.

Com a manhã já se avizinhando, as três se aproximam como se fossem uma e sussurram suas perguntas mais uma vez no fundo de sua mente. E, enquanto aguardam, ele resolve responder o que seu coração aponta.

Escrever revela perguntas e ajuda nas respostas.

— Porque você está aqui? — Questiona a primeira, abrindo logo depois um cálido e jovial sorriso.

— Eu estou aqui para contar histórias sobre o mundo. Eu estou aqui apenas para criar mais um pequeno pedaço desse imenso sonho que chamamos de humanidade. — Responde ele. — Da mesma maneira que eu sonho com os mundos que outros criaram, um dia outros sonharão com meus mundos.

A primeira pergunta então joga um beijo e se afasta. A próxima então se aproxima.

— Quem realmente é você? — Pergunta aquela voz cálida que aquece o coração e dá forças para responder.

— Eu sou um escritor. — Responde ele com a voz embargada. — Ainda não sei o que isso representa por completo ou o que posso fazer pelo mundo. Mas a cada dia que vocês me visitam, essa resposta se torna mais clara.

Ela então faz uma mesura e se afasta, deixando para trás as lembranças e saudades de sua mãe. No entanto, a sensação não dura muito tempo e se dissipa com os primeiros raios do sol. Então, das últimas sombras ele sente um cheiro de musgo misturado com segredos e aquela sensação fria e pesada faz a última pergunta.

— Então porque você existe nesse curto período de tempo, se existem duas enormes eternidades antes do nascer e depois do morrer?

O escritor tenta responder e engasga. Então, depois de interromper seus pensamentos dissonantes e seu medo, ele consegue refletir sobre todos os anos que percorreu, sobre todos os erros que cometeu e principalmente, sobre todas as escolhas que tomou.

Ele se lembra dos seus sonhos de infância. Dos primeiros concursos de poesia no colégio. Dos primeiros textos escritos em coletâneas. Dos primeiros cursos desenvolvidos com seus pares. Então ele se lembra de como recentemente, recebeu um convite pela internet. Um convite para que, de uma maneira lógica e mágica ao mesmo tempo, ele pudesse se conectar com pessoas e sentimentos tão diferentes, mas que buscavam realizar a mesma coisa.

Então, criando coragem, ele se levanta e num último impulso se aproxima sem medo da sombra que se esvai, para assim responder:

— Estou presente neste momento porque vocês me colocaram aqui. Vocês, as bondosas sem face. Aquelas que fiam, atam e cortam o fio da vida me escolheram para que eu me encontrasse com outros escritores. Trocando minhas experiências e dividindo meus medos. Ou seja, eu existo porque eu tenho uma missão. Foi por isso que eu escolhi escrever, e foi por isso que eu aceitei esse legado. Porque nenhum homem é uma ilha e ninguém sabe de tudo. Só assim, junto de outros como eu, poderei cumprir a missão que me foi dada.

A última sombra então desapareceu por completo, deixando para trás apenas a sensação de um mistério que ainda deveria ser desvendado. E, enquanto o sol despontava no céu e sua esposa começava a revirar na cama, o escritor sentiu que havia finalmente encontrado mais um pedaço da meada, mais uma parte do fio da história que estava escrevendo e sendo escrito enquanto vivia.

Uma história formada por tantos outros como ele. Outros escritores que aceitaram o chamado das furiosas. Um chamado assustador e misterioso que pode revelar as respostas que sempre rondam as nossas vidas.

E você? Já recebeu a visita de alguma delas hoje?

Porque escrever e refletir é preciso. Sempre…

, ,

Conheça o grupo internacional LITERATVS!

O ChamadoRecentemente fui convidado e aceitei participar de um grupo de escritores chamado Literatvs. Um grupo internacional de escritores lusófonos que tem por missão auxiliar, incentivar e despertar o potencial interior de cada escritor, independente de gênero, auxiliando-o em seu desenvolvimento.

O projeto visa também criar centros de discussões saudáveis, construtivas sobre obras de seus próprios membros, sempre com o espírito de fraternidade, respeitando a liberdade individual.

Ficou interessado? Então clique nos links abaixo e, boa leitura!

Acompanhe nossa página no FACEBOOK.
Veja nossas fotos no INSTAGRAM.
Leia nossos textos no WATTPAD.

 

, , , , , , ,

Reflexões sobre a inspiração.

macaquinhos2

A expressão significa estar em constante ebulição, em permanente processo de criação.

Desde pequeno eu sempre tive muitas idéias. Para algumas pessoas, eu era um garoto inspirado, cheio de idéias. Para outros, eu sofria de um excesso de imaginação e era do tipo “Ai! Cuidado que aquele menino é hiperativo”. 😛

Eu com certeza me diverti muito quando criança porque com a imaginação tudo se transformava em algo fantástico e estranho mas, acho que dei muito trabalho para meus pais também. Hehe!

Hoje em dia, quando penso nas inúmeras aventuras que vivenciei através dos livros e brincadeiras de infância, eu concordo que a melhor expressão que poderia me definir é aquela usada por Ziraldo no seu livro sobre o Menino Maluquinho. Eu sempre tive muitos “macaquinhos no sótão”.

Ou seja, dentro da minha cabeça, eu sempre tive muitas idéias e personagens que faziam o que queriam, do jeito que queriam, sem que eu tivesse muito controle sobre eles.

Atualmente, trabalhando com a área de criação e dedicando bastante tempo para desenvolver meus textos, muitas vezes eu paro e fico relembrando todas essas idéias e pensando sobre a inspiração e principalmente, porque nem sempre uma boa ideia significa desenvolver uma boa história?

Esse texto é apenas uma parte dessa reflexão e surgiu depois de uma conversa que tive com alguns escritores que estão participando do NaNoWriMo 2015 onde apresento quatro pontos que envolvem o dinâmico processo da inspiração.

Leia mais

, , , , , ,

Contos de Fadas não são histórias infantis.

1. Contos de Fadas não são brincadeira.

lobo mau

Lobo Mau?

A origem dos contos de fada nunca foi uma brincadeira de criança porque as tramas criadas pelos camponeses envolviam muitas vezes cenas de sexo, violência e fome.

Os detalhes violentos e libidinosos das histórias que povoavam aquela época foram criados e passados de geração para geração por trabalhadores analfabetos, que se sentavam à noite em volta de fogueiras para contar histórias. Nestas reuniões, ou veillées como era chamado pelos franceses, as mulheres narravam seus casos enquanto fiavam e teciam, o que originou expressões como “tecer uma trama” e “costurar uma história”.  Enquanto isso, os homens consertavam suas ferramentas ou quebravam nozes sem descanso pois, aquele era o universo dos camponeses franceses pré-Revolução, nos séculos 17 e 18. Leia mais

, , , , ,

Anunciada a Terceira edição do Concurso Hydra de Literatura Fantástica Brasileira!

banner_hydra3

A revista norte-americana Orson Scott Card’s Intergalactic Medicine Show (IGMS) e os websites brasileiros A Bandeira do Elefante e da Arara e Universo Insônia se uniram mais uma vez para levar o melhor da ficção especulativa brasileira para os leitores de língua inglesa do mundo inteiro, através da terceira edição do Concurso Hydra de Literatura Fantástica Brasileira. Leia mais

, ,

Nada a declarar…

whitepaper
Uma página em branco pode representar as chaminés cheias de fuligem de uma Inglaterra vitoriana ou o chão batido de uma rua estreita e calorenta de uma cidade Brasileira.

Uma página em branco pode representar todos os sentimentos do mundo ou um personagem que, carregando manias e características,  se aproxima de uma vítima indefesa. Tudo isso existe no vasto universo que é uma página em branco.

Uma página. Um espaço. Preenchido por tipos, letras, fontes, palavras, sujeitos, predicados, verbos, frases, sentenças, capítulos, escolhas, desejos, medos e sentimentos de um autor. Leia mais

, , , , , , , ,

CLARKESWORLD MAGAZINE: Um prazer para os olhos, um deleite para os ouvidos e uma inspiração para a alma.

Clarkesworld Magazine é uma revista de fantasia e ficção científica Norte Americana. A sua primeira edição foi publicada em outubro de 2006 e desde então eles tem mantido uma agenda mensal regular. A revista já reuniu diversos autores tais como Sarah Monette, Catherynne Valente, Elizabeth bear, Caitlin R. Kiernan, Kij Johnson, Peter Watts e Jeff VanderMeer e já foi ganhadora do prêmio HUGO de Ficção Científica e Fantasia.

Importante comentar que Hugo Gernsback foi o fundador da pioneira revista de ficção científica Amazing Stories, e que o prêmio oficialmente era conhecido como Science Fiction Achievement Awards até 1992. Os prêmios foram concedidos pela primeira vez em 1953, na 11ª World Science Fiction Convention, e foram entregues todos os anos desde 1955.

Durante os vários anos em que foram entregues, as categorias apresentadas mudaram; atualmente o Prêmio Hugo é entregue em mais de uma dúzia de categorias e incluem trabalhos escritos e dramatizados. Ele é um dos mais prestigiados prêmios de ficção científica e o Prêmio Hugo já foi chamado de “uma das mais altas honrarias concedidas em fantasia ou ficção científica”. Leia mais