, ,

No velho cinema…

 …

No velho cinema a muda música ecoava. Seus toques, secos, eram embalados pelos passos dos garçons, o tilintar dos corpos e o surdo som das risadas.

Olhares desmedidos, pairavam sem faces entre as mesas. E no lugar dos personagens, arquétipos irreais recriavam papéis impostos pela realidade.

O músico puxava baladas de conquista e luxúria e mesmo estampando um largo sorriso, ele não deixava de pensar na filha doente.

A garçonete de cabelos descontrolados, saltitava entre as mesas como uma mosca varejeira. E apesar de cansada pelas doze horas ininterruptas, estava exultante por causa das parcas gorjetas.

E era assim, que o filme descarrilava…

Pois “homens de bem” tramavam a morte de seus companheiros. E mesmo as velhas e respeitáveis senhoras saiam às claras com seus afilhados.

Cenas de suspense, corrupção, romance ou drama.

Enfim, cenas do grande filme de nossas vidas. Recortado e adulterado por mais um escritor desconhecido, bêbado e desgostoso, preso naquele velho cinema…

Creative Commons License

No velho cinema by JBAlves is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Comente aqui suas impressões!