, , ,

Não somos nada sem a tecnologia.

Não somos nada sem a tecnologia. Na realidade sem a tecnologia você estaria morto em apenas poucos dias.

No entanto, eu devo relembrar um fato muito importante, os seres humanos estão longe de serem as únicas criaturas que utilizam a tecnologia. Em 1871, Charles Darwin escreveu, “Muitas vezes tem sido dito que nenhum animal usa qualquer ferramenta.”

Em seguida, ele alegremente fornecia uma longa lista de provas em contrário. Um dos exemplos de Darwin era o elefante asiático, que para repelir moscas agitava um ramo. No entanto, o elefante não fazia isso com um qualquer que encontrasse. Ele modificava o ramo retirando folhas laterais ou mesmo, encurtando o tronco.

Esta é a diferença essencial entre as ferramentas e, digamos, teias de aranha. Elefantes fazem suas ferramentas através da manipulação (ou transformação) de coisas que eles procuram especificamente. Eles não usam apenas coisas que encontram, ou apenas cavam buracos, ou apenas se utilizam de suas características naturais, como as secreções da aranha.

O comportamento dos elefantes é simples em comparação com a tecnologia utilizada pelas aves. As aves não quebram apenas galhos, eles procuram e armazenam galhos, grama e outros materiais para assim construir suas casas. E muitas dessas “casas” podem ser muito sofisticadas.


Por exemplo, existe uma espécie de Há uma espécie de pássaro australiano que constrói ninhos de até dois metros de comprimento e cerca de meio metro de largura, com quatro ou mais câmaras separados como em um condomínio, formando assim um ninho tão forte que pode sobreviver a uma queda de muitos metros, mantendo assim seus ovos intactos, além disso, por dentro ele é forrado com espinhos para deter os predadores. Além disso, ele mantém por toda a estrutura, pequenos furos de visualização, janelas por assim dizer, para que aves no interior possam ver o perigo que se aproxima.

E antes que você pense que isso é natural para eles, mais uma informação, os pássaros não nascem sabendo construir ninhos, eles aprendem por meio da experiência. Essa foi a conclusão é de um estudo desenvolvido por cientistas das universidades de Edimburgo, St. Andrews e Glasgow, todas da Escócia, e vai contra o senso comum de que a construção de ninhos é uma habilidade inata dos passarinhos. A pesquisa foi publicada no periódico Behavioural Processes.

Esses cientistas filmaram pássaros da espécie Ploceus velatus, também chamados Tecelões-Mascarados do Sul em Botsuana, na África,e descobriram que os pássaros variavam de técnica na construção de diferentes ninhos. Além disso, alguns deles construíam suas casas da esquerda para direita, enquanto outros o faziam na direção contrária.

Outro grande exemplo de tecnologia utilizada pelos animais vem dos castores. Animais que, para alguns, produzem a maior tecnologia não-humana de todos. Castores constroem casas chamados ”
lodges” que pode ser traduzido para o português como alojamento. Eles moldam o seu ambiente através da criação de barragens e, constroem canais para ajudar com o transporte de alimentos e materiais de construção.

Existem muitos outros exemplos de tecnologia criada por animais. Quanto mais procurarmos, mais encontraremos. Mas como acho que você já entendeu esse ponto, vamos retornar a questão inicial de não sermos nada sem a tecnologia.

O propósito de toda a tecnologia que apresentei acima é o mesma: a sobrevivência, ou mais especificamente, a adaptação do meio-ambiente para a sobrevivência. Espécies usam ferramentas para ajudá-los a adaptar-se aos ambientes que, de outra forma, seriam por demais desafiadores sem ter que esperar pela evolução natural que poderia criar descendentes com corpos mais adaptados.

Enfim, a tecnologia é mais rápida do que a morfologia. Os exemplos de pássaros que citei acima, por exemplo, são de uma ordem animal chamada de Passeriforme, conhecidos popularmente como pássaros ou passarinhos e que representam mais metade do total das espécies de aves. Elas são mais sofisticados do que os de outras aves e uma das razões é porque são capazes de construir abrigos aonde desejarem. Isso ajudou os passeriformes a proliferarem em ambientes que passavam por mudanças, especificamente o mundo novo que surgiu após a extinção em massa dos dinossauros juntamente com a grande maioria das outras espécies a mais de 65 milhões de anos.

Enfim, os ninhos contribuíram para a rápido sub-divisão dos passeriformes em muitas espécies diferentes apesar dos passeriformes terem surgido muito mais tarde do que as outras aves. Mas por que as outras aves não podem construir ninhos como eles? Porque os pés dos passeriformes tem um dedo do pé traseiro independente e móvel, algo semelhante a um polegar opositor humano, o que permite que o pássaro possa agarrar os galhos e assim construir seus ninhos.

É claro que isso nos leva a uma pergunta interessante. O que veio primeiro? O dedo ou o ninho?

Os cientistas teorizam que os dois se desenvolveram em conjunto, com uma pequena mudança em um levando a uma pequena alteração no outro, até que todas as mudanças somadas criaram a grande diferença em seus pés criando assim os atuais ninhos dos pássaros.

Agora, porque os seres humanos são os usuários de ferramentas atualmente? Porque especificamente nossos corpos sofreram diversas mudanças radicais por causa de nossas ferramentas. Vamos usar como o exemplo o machado de mão: uma lâmina perfeitamente simétrica de sílex que foi usada como ferramenta pelos primeiros humanos, antecessores do Homo sapiens, a mais de cinco milhões de anos.

O machado de mão pode ser considerado como um grande dente canino: uma presa do tamanho de um punho que pode ser utilizada para o combate, alimentação e fabricação de mais machados de mão. Os esqueletos dos primeiros humanos que usaram o machado mostram algo bem interessante: durante todo a escala de tempo evolutiva, eles foram evoluindo dentes menores e mandíbulas mais fracas, tanto em relação com outros primatas, como os gorilas, como para os seres humanos anteriores.

O machado de mão eliminou a necessidade de dentes grandes pois era superior a eles. Ele podia ser substituído em caso de quebra ou perda, poderia ser afiado a todo o momento, e você poderia usá-lo em combate, sem ter de colocar sua cabeça e pescoço próximos de seu oponente.

Logo em seguida, os dentes menores e as mandíbulas fracas geraram grandes benefícios biológicos: eles deixaram espaço no crânio para mais células cerebrais, e mudou o peso e equilíbrio da cabeça permitindo que fosse mais fácil ficar ereto. Machados de mão mudaram os nossos corpos, e também o curso da evolução humana. Eles são a razão pela qual nós nos tornamos essa espécie de bípedes cabeçudos.

O que se seguiu então, foi uma rápida proliferação da tecnologia que nos levou a povoar o planeta. Se estivéssemos com frio, utilizávamos o machado para matar um urso e assim criar roupas quentinhas. Ou quem sabe, cortar o couro para criar cantis de água e assim atravessar desertos com a mesma facilidade que um camelo.

Assim, da próxima vez que você ouvir alguém reclamando sobre a “tecnologia” ser “ruim”, peça a eles para imaginar uma coisa. Imagine que você está em uma ilha selvagem, totalmente deserta, peladão e sem a capacidade de criar ferramentas. Imaginou? Então pense que a menos que você tenha a sorte de encontrar um abrigo natural, água potável e comida que você possa mastigar e digerir sozinho com seus dentes e mandíbulas, você vai morrer dentro de dias.

Em situações extremas na natureza, o ser humano pode morrer por pelo menos sete motivos: de sede, de fome, de calor, de frio, por ficar muito tempo sem respirar e por estar submetido aos efeitos de grandes altitudes ou profundidades.

Basicamente esses são os limites de um ser humano sedentário sem equipamentos de proteção. Podemos viver apenas quatro dias sem água. Podemos mergulhar (se não formos treinados) até 3 metros de profundidade e mesmo usando roupas leves só conseguimos aguentar até -5º Celsius.

Sem treinamento, conseguimos ficar três minutos sem respirar e sobrevivemos a no máximo 50º Celsius (temperatura ambiente). Acima de 3 mil metros, uma pessoa não aclimatada pode passar mal e só conseguimos ficar de 20 a 30 dias sem comer.

Diante de todas essas dificuldades, imagine que você tem filhos. E que você precisa manter todos os itens acima controlados para assim permitir a sobrevivência de seus filhos da gravidez de sua esposa até a puberdade.

Agora, imagine fazer todas essas coisas tendo de concorrer com outras pessoas e outros animais, todos tentando encontrar um abrigo natural, água potável e comida para e manter suas famílias vivas. Quanto tempo você poderia sobreviver sem tecnologia? Quanto tempo a raça humana atualmente poderia sobreviver?

Diante dos dados acima, a resposta é fácil: a maioria de nós iria morrer dentro de poucos dias, e os poucos que permanecerem durariam apenas algumas semanas ou meses. E sem ferramentas, a raça humana estaria extinta dentro de um ano aproximadamente.

Isso pode ser um choque para algumas pessoas. Pessoas muitas vezes bem-educada e em uma posição confortável, que se permitem discutir um retorno para um mundo mais “natural” e até mesmo “anti-tecnológico”.

E se ainda estiver com dúvidas eu indico o filme “A Perseguição”. Um filme de 2012 que mostra uma história de suspense que acontece em uma paisagem coberta de neve e cercada de lobos, estrelado pelo ator irlandês Liam Neeson, que trabalha como caçador de lobos para garantir a segurança dos demais funcionários.

Normalmente, primeira objeção dessas pessoas quando confrontadas com o exercício de imaginação, é que, se isso fosse verdade, então nós não estaríamos aqui, porque os nossos antepassados teriam morrido. E se eles conseguiram sobreviver sem ferramentas, por que nós não podemos?

A resposta para isso é simples e para eles surpreendente: nossos ancestrais pré-tecnológicos eram de outra espécie. Eles tinham dentes grandes, mandíbulas fortes, cérebros pequenos, moviam-se usando os quatro membros e estavam cobertos de pelo. Depois deles vieram nossos ancestrais mais recentes, como o Homo sapiens idaltu e o Homo neanderthalensis que usaram ferramentas primitivas e que eventualmente mudaram seus corpos. E com a evolução surgiu o homo sapiens.

Nossos corpos não estão configurados para sobreviver sem a ajuda da tecnologia. Sem a tecnologia, nós somo aves sem ninhos, castores sem barragens e elefantes sem galhos. Nós não podemos viver sem ferramentas pois foram as ferramentas que fizeram o que somos hoje.

Foi o uso das ferramentas que criaram o homo sapiens, mas foi o desenvolvimento e o compartilhamento dessas ferramentas, bem como nossos genes, e a simbiose entre sobreviver e criar que intensificou tudo isso rapidamente.

Pulamos os trilhos de evolução e paramos de evoluir fisiologicamente para evoluirmos tecnologicamente. Começamos a adaptar a nossa tecnologia durante nosso tempo de vida, em vez de esperar a natureza adaptar nossos corpos no tempo evolutivo.

Assim nós nos tornamos a espécie que melhor responde a pressões ambientais com criação de novas ferramentas, e não de novos corpos. Quando uma região fica sem água potável, ao invés de nos mudarmos para outra região, nós inventamos bombas e barragens para trazer a água até nós, e até mesmo aprendemos a tratar as águas residuais e a irrigar nossas plantações. Nós inventamos garrafas e tubos, estradas para o transporte de água de fontes distantes. De novo, não foi preciso mudar nossos corpos por causa da pouca água. Nós não evoluímos corcovas.

Nossas ferramentas e corpos são um só. Nós não evoluímos biologicamente mais no mesmo ritmo, nós criamos ferramentas e assim modificamos o mundo a nossa volta. E, porque não podemos mais nos adaptar, se deixarmos de criar, vamos deixar de existir.

Por isso o incentivo à pesquisa e à imaginação são tão importantes! Por isso a leitura da ficção científica nos permite imaginar e assim explorar outros planetas e colocar robôs em cometas. Tudo isso é essencial para despertar em nós, outras oportunidades para evoluir e, quem sabe, criar um um mundo onde possamos conviver sem destruir e explorar por completo a natureza.


Eu sou um otimista, como Gene Roddenberry, eu acredito que a tecnologia um dia poderá recuperar os oceanos e florestas. Limpar as águas poluídas e quem sabe até salvar da extinção diversas das espécies ameaçadas por nós.

No entanto, para que isso aconteça, a evolução tecnológica e mental devem continuar. Devemos continuar olhando para o futuro com a mesma vontade de sobreviver que nossos antepassados, mas com o mesmo respeito com todos os outros usuários de ferramentas deste planeta.

Não somos nada sem a tecnologia. Mas é através dela que podemos nos tornar bem mais do que somos hoje. Por isso incentive e apoie o desenvolvimento da tecnologia. E nunca deixe de acreditar que o amanhã pode trazer novas oportunidades de crescimento para toda a humanidade.

 “Eu sei o que eu tenho que fazer agora. Eu tenho que continuar respirando, porque quem sabe o que a maré me trará amanhã?”

“Wilsoooooooonnnnnnnn! Wilsoooooooonnnnnnnn!”

– Citações do filme Náufrago de 2001 –

Não gostou? Então te jogarei para os lobos antes de desenvolver minha próxima ferramenta! 😉

.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Comente aqui suas impressões!