Mais um ano que se passa…

Mais um aniversário, mais um ano que se passa. Mais um ano de experiências, cabelos brancos, tristezas, sustos e muitos desafios mas também, muitas e muitas felicidades.

Agradeço a todos pelo apoio e pelo desafio em cada parte dessa imensa estrada que venho percorrendo. Agradeço ao apoio dado ao meu trabalho e à minha pessoa.

Como forma de comemorar, gostaria de citar e compartilhar como todos uma das poesias que mais admiro. The Tiger é do escritor e poeta inglês William Blake. O autor nasceu em Londres em 1757, onde viveu praticamente quase toda a sua vida, morrendo em 1827. Ele foi o primeiro dos grandes poetas Românticos Ingleses, como também pintor, impressor, e um dos maiores gravadores da história inglesa.

Para não perder o foco Nerd, devo confessar que fiquei conhecendo William Blake através de diversos quadrinhos. Ele já foi citado no Wolverine, Watchmen, Sandman, Zenith e Astro City. Sim, os roteiristas Grant Morrison, Neil Gaiman e Alan Moore gostam dele!


Sendo assim, e seguindo a opinião de grandes nomes, espero que gostem…

THE TYGER

Tyger! Tyger! burning bright
In the forests of the night,
What immortal hand or eye
Could frame thy fearful symmetry?

In what distant deeps or skies
Burnt the fire of thine eyes?
On what wings dare he aspire?
What the hand, dare seize the fire?

And what shoulder & what art,
Could twist the sinews of thy heart?
And when thy heart began to beat,
What dread hand & what dread feet?

What the hammer? what the chain?
In what furnace was thy brain?
What the anvil? what the grasp
Dare its deadly terrors clasp?

When the stars threw down their spears,
And water’d heaven with their tears,
Did he smile his work to see?
Did he who made the Lamb make thee?

Tyger! Tyger! burning bright
In the forests of the night,
What immortal hand or eye
Dare frame thy fearful symmetry?

Segundo o site www.algumapoesia.com.br o próprio Blake dizia que seu trabalho estava cheio de visões religiosas, e não tinham a ver diretamente com assuntos do dia-a-dia. Só que ele escrevia com um talento fora do comum. As tentativas de explicação desse tigre começam pelo título. Na opinião de alguns estudiosos, Blake escreveu “tyger”, com Y, para sinalizar que aí está um tigre especial.